White Clouds – Hisae Iwaoka

Por | 27/02/2014 | Sem Comentários

Nascida em 1976 Hisae Iwaoka é uma mangaká premiada que produz mais comumente one-shot´s (mangás com capítulo único) além dos sete volumes de Saturn Apartments (2005-2011) que foi serializado originalmente na revista Ikki e em 2012 foi publicado em inglês pela Viz Media em seis volumes.

6262-qzt9t3x2uv

capa de sua série publicada também nos Estados Unidos

Shiroi Kumo/White Clouds é uma história publicada em 2004 juntamente com outras treze da mesma autora e dá também nome ao volume.

Trata-se de uma fofa oneshot narrada pelo ponto de vista do idoso cachorro Shiro. Ele é um cão bastante apegado à família, já que foi criado pela oba-chan (vovó) que faleceu recentemente.

No momento em que entramos na história percebemos sua preocupação quanto à idade do oji-san (vovô) e se este logo seguirá sua esposa, do mesmo modo que o homem idoso se preocupa com o cão.

O traço deste mangá é bastante característico, com suas redondas cabeças sem pescoço de olhos pequenos (muito diferente do que normalmente encontramos), assim como os corpos que se assemelham as bonecas matryoshka de mãos pequenas e sem muitos detalhes.

hisae_iwaoka_white_clouds.white.clouds.01

Essa aparência destoante da realidade apenas ajuda a aproximação emocional com os personagens. Shiro também tem um discurso bastante humano em que inclusive a certo ponto deseja que a neta da família, a menina Shiori, fosse substituída pela falecida oba-chan que tinha muito mais consideração com ele. Claro que se trata de uma criança que não entende ou tem paciência para as coisas mais complexas da vida.

O único que entende os sentimentos de oji-san é Shiro, tanto que algumas vezes não sabemos se realmente é o cachorro ou o homem que narra a história, e desta forma ambos se sustentam durante a rotina dos dias quase como intrusos na família.

Existem ainda algumas tiradas engraçadinhas, mas o tom constante durante a leitura é de algo doce e melancólico.

laster5-25-23

A autora Hisae Iwaoka

Novamente, e talvez como sempre irá acontecer, me surpreende a forma como coisas simples podem provocar emoções tão fortes o que é justamente a beleza deste trabalho.