UDC #13 – Beautiful Bastard (A Série de Livros)

Por | 06/06/2014 | Sem Comentários

+18

Olá, sejam bem vindos a mais Uma Dose de Conhaque!

E neste frio horroroso nada melhor do que uma deliciosa quentura alcoólica com um bom Dreher embaixo das cobertas enquanto devoramos um guilty pleasure erótico, não é mesmo?

Falarei hoje da série Beautiful Bastard que contém até o momento seis volumes, sendo três romances – Beautiful Bastard (Cretino Irresistível), Beautiful Stranger (Estranho Irresistível) e Beautiful Player (Playboy Irresistível) – e mais três novellas (que intercalam as histórias) – Beautiful Bitch (Cretina Irresistível), Beautiful Bombshell (Paixão Irresistível), Beautiful Beginning (Noiva Irresistível). Para entender melhor só dar uma olhada na imagem abaixo, as capas com homens ilustrados são os romances e as com mulheres são as novelas que intercalam.

Aliás, obrigada pelos responsáveis por produzirem capas dignas finalmente. Tenho medo da maioria das capas que compõem romances nas edições nacionais – e internacionais também.

A série é escrita por uma dupla de autoras chamadas Christina Hobbs e Lauren Billings que usam o pseudônimo de Christina Lauren. Estas tiveram a ideia que é narrada neste primeiro volume como uma fanfic da série Crepúsculo (assim como aconteceu com 50 Tons de Cinza) que primeiramente era chamada de The Office.

couv

Capa da Fanfic The Office que originou a história

Ainda que possuam como cenário em comum com outros romances similares o ambiente de trabalho, Beautiful Bastard deixa todos os jogos de BDSM mal-feitos para trás com uma divertida e sensual história entre Chloe Mills e Bennett Ryan. Uma das coisas que mais gostei é que em todos os volumes existem sempre ambas as perspectivas sendo trabalhadas. Tanto o “mocinho” quanto a “mocinha” tem suas sutilezas expostas em capítulos intercalados. Imagino que tenha sido um pouco mais difícil na criação, já que normalmente se “aproveitam” da falta de ponto de vista do personagem masculino para torná-lo “mais misterioso” ou algo que o valha que deixe as heroínas loucas.

Chloe Mills é uma jovem morena linda, inteligente, que trabalha há seis anos na empresa de marketing RMG – Ryan Media Group – onde está formulando seu projeto de MBA. Dirigida pela família Ryan a quem Chloe é quase tida como uma protegida tudo vai muito bem, até que um dos filhos a quem ela nunca teve contato retorna da França para ocupar o cargo de chefe de um dos setores. O setor dela, obviamente.

Ao início do livro ambos já trabalham juntos há seis meses, e Chloe acaba por apelidar Bennett Ryan de Cretino Irresistível por que o homem é um deus grego ambulante só que completamente nojento. Ele implica com a heroína por detalhes absurdos que me remeteram ao maravilhoso filme Secretária, e com seu cabelo “sempre bagunçado como se tivesse acabado de transar” é tão odiado por nossa protagonista, como ela é odiada por ele. McDreamy manda um abraço.

A situação explode quando ocorre o primeiro encontro sexual deles que é seguido por várias situações igualmente engraçadas e excitantes que se aproveitam bastante do fetiche de sexo no escritório. Além das salas de reunião, pessoas em volta, saias e sapatos de salto, ternos e gravatas a tensão entre os protagonistas é enorme justamente por que a Srta Mills responde sempre à altura de seu chefe, e observar ambos se torturarem (psicologicamente e sexualmente) foi uma grande diversão.

A utilização dos nomes nesta série de livros é um dos pontos fortes, em que foram inspiradas por personagens dos livros de Jane Austen – fato citado no decorrer do texto. E as descrições de sexo são realmente quentes, obrigada. Porém achei o desfecho desta primeira história bastante ruim, forçando uma separação estapafúrdia para que o “poder da distância” quebre a ambos em pedacinhos e faça com que sintam falta um do outro até o cerne antes de finalmente se acertarem. Isso também ocorre de maneira menor nos outros dois volumes que já possuem outros protagonistas – As autoras conseguem criar a tensão, mas seus desfechos são bem mais ou menos.

Beautiful Bitch trata basicamente de como Srta Mills e Sr Ryan se acertam finalmente, além de aprofundar um pouco o desenvolvimento de Sarah Dillon – a melhor amiga de Chloe – e Max Stella, outro empresário delicioso que esteve na mesma faculdade de Bennett. Ambos são os protagonistas de Beautiful Stranger,  que além de falar de voyeurismo de forma realmente quente tem Max como um protagonista britânico, o que tornou a leitura no idioma original bem mais engraçada com seus xingamentos e maneirismos característicos como o uso de “twaat” e outras expressões.

Beautiful Bombshell vem em seguida com uma despedida de solteiro em Vegas absolutamente divertida que envolve todos os personagens até o momento, incluindo-se Will Sumner que é sócio de Max Stella.  Obviamente Beautiful Player tem Will como protagonista em conjunto de Hanna (Ziggy) Bergstrom, a irmã caçula de um amigo de infância de Will. Gostei deste livro por que Hanna ainda que não seja virgem é mais inexperiente que as outras duas protagonistas e tratam isto no livro de uma maneira bem interessante, sem nunca idiotizar ou tornar a personagem patética de alguma forma.

Porém o último Beautiful Beginning é o melhor de todos em absoluto, justamente por que sabemos já tudo sobre os personagens em questão. Ainda que eu não goste de todo esse lance de casamento, as autoras deixaram este um caos tão completo que é impossível não se divertir. Melhor final até o momento também, abrupto e delicioso.

Por fim esta é uma série de livros eróticos realmente gostosa de ler para todos os propósitos necessários. Recomendado ao máximo.

Edição Nacional – Universo dos Livros