O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos

Por | 14/12/2015 | Sem Comentários

Dessa vez tive a oportunidade de ter uma breve conversa com Mao, atualmente vocalista da banda O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos, mas antes de falar dele é válido contextualizar rapidamente alguns ocorridos até os dias atuais.

No final de 1982 formou-se a banda punk Garotos Podres na cidade de Mauá, no ABC paulista que é o maior pólo industrial do Brasil. A formação inicial era Mao (vocal), Mauro (guitarra), Godô (baixo) e Maurício (bateria).

Ao mesmo tempo que pegaram o auge do movimento punk em São Paulo em que várias bandas surgiam principalmente nos grandes centros urbanos, também estavam em plena ditadura militar, por isso, eram obrigados a enviar cópias das letras das músicas para o Departamento de Censura Federal para serem aprovadas ou não. O primeiro álbum lançado em 1985  intitulado “Mais Podres do que Nunca” tiveram quatro músicas proibidas a execução, o que forçou os integrantes a alterarem algumas das letras com a intenção de burlar a censura, duas delas tiveram a aprovação depois das mudanças. Exemplo disso foi uma das músicas mais clássicas dos Garotos Podres – Papai Noel Velho Batuta que originalmente era Papai Noel Filho da Puta.

Desde o começo a maioria das composições traziam um engajamento político muito grande, às vezes usufruindo de ironia, novamente, para escapar da opressão. Sempre deixaram claro qual “lado” representavam e quem queriam atingir – o governo, as instituições, os fascistas…

Tanto que a primeira apresentação da banda ocorrida em 1983 na cidade de Santo André, foi em um evento que reuniu vários grupos de diversos estilos musicais em prol do Fundo de Greve do Metalúrgicos do ABC. Em 1988 no segundo álbum “Pior que Antes” criaram outro hino no underground – Subúrbio Operário.

A partir daí a banda se popularizou, abrangendo não apenas a cena punk, mas também o mais variado tipo de público, se tornando a primeira banda punk do Brasil a ter suas músicas veiculadas na programação de algumas rádios. Isso sem mudar em nada a ideologia inicial.

De 1993 até 2003 lançaram mais cinco álbuns entre EP’s, coletâneas e lives, sempre trazendo petardos sonoros corrosivos com os mesmo alvos e com mais seguidores ao seu lado.

Após isso entraram em um hiato de quase dez anos sem gravar nada devido um “racha” na banda por conta de alguns integrantes assumirem posições políticas cada vez mais conservadoras. Outras pessoas também entraram nessa mesma onda (Obs: Roger Moreira, do Ultraje A Rigor produziu em 1993 o terceiro álbum dos Garotos Podres, o “Canções Para Ninar”).

Mao e Cacá Saffiotti (guitarrista na época) ainda mantinham/mantém as mesmas ideologias e não tinham nenhuma intenção de mudar, porém, por mais que os dois quisessem dar seguimento tocando como Garotos Podres, resolveram criar outra banda devido aos atritos com os “coxinhas”.

O epíteto escolhido foi O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos, inspirado nos vilões de desenhos animados. Mao e Cacá seguidos por Shu (bateria) e Uel (baixo) lançam em 2014 o álbum  “Contra os Coxinhas Renegados Inimigos do Povo”. Nesse trabalho percebe-se muitas referências sonoras de outros projetos paralelos da banda principalmente o ska e reggae. Ele não se separa de seu passado, mas se envolve com as lutas do presente.

Nesse último sábado a banda fez o último show do ano. Se apresentaram depois de muito tempo em São Paulo, Mao escolheu o Centro Cultural Zapata. Quem foi, foi.

Segue abaixo um vídeo com o Mao falando sobre a banda e claro, a situação política atual em que estamos vivendo.

06

04

08

05

01

07