lista 5 animes - Fate/zero

Lista – 5 animes para quem não gosta de anime

Por | 14/01/2014 | 1 Comentário

Essa lista é polêmica e controvérsia, pois existe dois lados da questão e é importante eu deixar claro o por que dela existir.

A indústria de quadrinhos e animação japonesa é gigantesca, com estúdios e profissionais extremamente qualificados, que só existem graças ao grande volume de consumo e audiência dentro do próprio Japão. Ela é uma indústria tão autossuficiente que não existe uma verdadeira necessidade, ou um grande interesse das produtoras de exportarem seus produtos para fora do país. Essa delimitação cultural faz com que as obras abordem questões ou usem de referências coisas que não estamos familiarizados. Porém, o número de fãs ocidentais dessas produções tem cada vez mais aumentado, ainda que exista um forte preconceito erroneamente voltado para tudo que vem do Japão.

O preconceito no ocidente
A imagem que o anime tem no Brasil é anacrônica, pois houve um grande momento na televisão brasileira onde era interessante investir em obras como Cavaleiros do Zodíaco ou Dragon Ball, que faziam muito sucesso com as crianças (sucesso esse que já tinha acontecido no Japão, Estados Unidos e América Latina), acabando por ficar marcada na memória de toda uma geração.

A qualidade dessas obras não é a questão aqui, mas cabe a todos avaliar que essas obras foram feitas nos anos oitenta para o público infantojuvenil e o que o anime hoje evolui de forma gigantesca, até mesmo nas obras voltadas para esse público.

Outra coisa que gera preconceito é a forma que os japoneses encaram a sexualidade. De fato é bem diferente da forma como ela é tratada no ocidente, principalmente no âmbito da ficção, também não cabe dizer se é certo ou errado, mas no japão existem obras para todos os gostos, sim existe obras sexistas, mas também existe obras que tratam a homossexualidade de forma natural ou para os mais puritanos obras que os personagens nem mesmo são capazes de dar as mãos.

Meu ponto é que o Japão aprendeu a dividir e classificar seu público de forma que os ocidentais não familiarizados acabam por não entenderem muito bem, pois por mais que haja obras ruins que sustentam o preconceito de que animes são obras sexistas ou infantilizadas, existem também obras maduras com tramas e personagens interessantes com conflitos que podem se encaixar em qualquer cultura ao redor do mundo.

Os fãs
Os fãs ocidentais de animes, sem dúvida gostam dessas obras por suas características, e pouco se importam com a projeção que elas têm no ocidente. Esse texto não tem a intenção de dizer que seria melhor se os animes fossem feitos mirando o público do mundo todo, mas sim dizer que é toda uma indústria que produz um grande volume de obras, e um volume tão grande sem dúvida produz coisas boas entre elas, quem gosta de obras de ficção erra grande ignorando a existência de tantos produtos.

Vamos a lista com alguns exemplos para serem assistidos da mesma forma que você assiste uma série americana para a televisão:

5. Steins;Gate – Sci-fi
Não existe nada mais comum em uma boa obra de ficção científica do que viagem no tempo, tão comum que já é até batida, mas Steins;Gate é uma obra que soube muito bem explorar esse tema, usando inclusive dentro do roteiro relatos “reais” do viajante do tempo John Titor e teorias da conspiração contra a CERN.

Mesmo não sendo uma power fantasy, aliás, acaba sendo bem diferente disso, Steins;Gate tem uma trama intensa e empolgante, que vai gradualmente se desenvolvendo e te deixando pirado a cada capítulo, contando com mistérios e ganchos tão interessantes que poderiam até mesmo ter a assinatura de J.J. Abrams.

Steins;gate

Porém escolhi ele para o quinto lugar, por alguns motivos, primeiramente por que conta a história de um grupo de Otakus, e acredito que uma pessoa que não gosta de animes não iria querer ler uma história com um grupo assim, mesmo eles não sendo nada mais que os nerds em sua versão japonesa. E o segundo motivo para essa escolha é que Steins;Gate é uma adaptação de uma Visual Novel, e a série animada carrega fortes características desse gênero de jogos, que fica evidente nos primeiros capítulos onde são apresentadas quatro garotas e um garoto que potencialmente podem ser seu par amoroso. Normalmente nesses jogos você pode escolher quem vai querer ficar no final, mas o anime mesmo podendo cair na armadilha de se transformar em um harém genérico resolve bem a questão do envolvimento amoroso do protagonista de forma elegante.

Vale a pena a recomendação para fãs de ficção científica, melhor ainda se for fã de viagem do tempo.

4. Working!! – Sitcom
Até mesmo o humor japonês sofre preconceito, porém não é algo que Working!! deve temer, pois é dotada de um estilo de humor universal. O humor de Working!! é cercado em volta dos personagens e suas características peculiares, algo comum de seriados sitcom, e Working!! faz isso com grande maestria pois sustenta duas temporadas com apenas uma dúzia de piadas que são repetidas exaustivamente, mas de forma genial que sempre te fazem rir, e rir de verdade.

Working!!

Working!! poderia tanto ser um Sitcom que ele se passa praticamente todo em um cenário, o restaurante Wagnaria, onde poderia muito bem ser um espaço explorado por um único ângulo da câmera, como acontece normalmente nesse subgênero.

A única coisa que pode ser um estranhamento para os ocidentais desavisados, é que Working!! é adaptado de um mangá 4 koma, ou seja, um episódio é vinte e poucos minutos com várias gags curtas que nem sempre tem ligação entre si. O que nada mais são do que a versão japonesa das tirinha de jornal.

3. Death Note – Policial
Título que não podia faltar, é até um pouco injusto classificá-lo como policial, pois Death Note é bem original e não cabe em qualquer definição de gênero.

A trama de Death Note é tão maluca e minuciosa que é digna de ser assistida por si só.

Death Note
Death Note conta basicamente sobre a caçada por um assassino com o poder sobrenatural de matar, quase, todo mundo que ele quiser usando um caderno, simplesmente anotando o nome da pessoa, porém enxergamos a história de dois pontos de vista, a do assassino e do detetive, ambos gênios que usam de artifícios e mais artifícios mirabolantes para ver quem desmascara o outro primeiro.

Extremamente recomendável para quem gosta de tramas arquitetonicamente inteligentes.

2. Fate/Zero – Épico Medieval
Batalhas épicas que acontecem nos tempos de hoje entre fantasmas de heróis do passado que lutam em prol da realização de um desejo, basicamente esse plot já desperta atenção de quem gosta de batalhas e fantasia.

Ele é originalmente um livro, uma light novel, que é uma prequela do jogo de visual novel chamado de Fate/Stay Night que também virou anime, os dois fazem parte de uma série de produtos popular no Japão criados pela empresa Type-moon, a série Fate que é uma grande confusão transmidiática.

Fate/Zero supera muito Fate/Stay Night em qualidade, principalmente por que foi escrito por um dos melhores autores da atualidade no Japão que é o Gen Urobuchi, por isso não vale a comparação.

Fate/Zero conta uma história com um grande número de personagens, que de forma maestral são apresentados em seu episódio especial de estréia, um dos melhores episódios de animes que eu já vi, com uma estrutura ridiculamente incrível que explica pra você tudo que precisa saber para entender o resto do anime.

Fate/zero

As falas, os conflitos, as batalhas, as questões abordadas, são todos esses tópicos tratados com maturidade e minucioso cuidado. Recomendável para quem gosta de ação inteligente e trama instigante, com batalhas de heróis e classes típicos de um RPG.

1. Nana – Drama
Nana é uma obra extremamente madura criada pela experiente mangaká Ai Yazawa, com personagens e situações completamente críveis, sem nenhum tipo de vício de gênero, que conta a história de duas mulheres com o mesmo nome que se conhecem indo para Tokyo e acabam morando juntas.

Nana narra eventos na vidas delas duas, e não tem exatamente um trama principal, a única constante é a amizade das protagonistas. Esse tipo de mangá chamado de Josei dificilmente são adaptados para animes, mas o seu sucesso foi tanto no mangá que acabou por se repetir em sua animação.

Nana

Infelizmente a publicação do mangá foi interrompida por conta de uma doença da autora, mas o anime tem uma temporada fechada com um final aberto satisfatório.

O motivo dessa obra ser extremamente recomendada são essas qualidades que eu descrevi, claro que o anime não vai agradar pessoas que esperam tramas sofisticadas cheias de reviravolta, mas quem der uma chance vai desfrutar de personagens muito bem desenvolvidos e cativantes.

~

Tem mais alguma sugestão para aquele seu amigo que sempre fala de boca cheia que odeia animes mas nunca deu uma chance para ver alguma coisa? Deixe aqui nos comentários as suas sugestões também!

  • Não conheço os demais animes da lista, mas recomendo fortemente Death Note, gosto da temática e da narrativa, comparado com outros animes é relativamente curto 26 ou 27 episódios, não lembro bem, e está disponível no Netflix para aqueles que estiverem interessados.