F.A. #10 – Na Casa

Por | 28/03/2014 | Sem Comentários

O professor Germain (Fabrice Luchini) retorna de suas férias e volta a lecionar francês na escola Lycee Gustave Flaubert, homenagem ao escritor Gustave Flaubert que marcou a literatura francesa com sua análise psicológica, preocupação com o realismo e o estilo através de grandes romances como Salammbô.

Em sua primeira lição, uma redação acaba chamando sua atenção em que um aluno chamado Claude Garcia (Ernst Umhauer) descreve seu final de semana quando pela primeira vez visitou a casa de Rapha Artole, colega da mesma classe. No final desse texto, Claude escreve (“Continua…”) instigando a curiosidade do professor sobre sua continuação.

02

Vendo que o garoto tem talento para escrita, Germain decide dar aulas extras e ensiná-lo sobre literatura, apontando alguns caminhos para se seguir dentro de uma história assim como aponta seus erros ao mesmo tempo que deixa Claude livre para escrever o que quiser. Nessas aulas são citados alguns autores como Dostoievski, Chekhov, Tolstoi e sem contar o já citado Flaubert.

Claude continua entregando a história dividida em capítulos que, ele ou o personagem descrito tem a intenção de aos poucos fazer parte da família daquela casa que visitara na primeira redação – daí o título do filme, Na Casa. Além de Rapha Artole, a família dessa casa é composta por Rapha pai (Denis Ménochet) e sua mãe Esther (Emmanuelle Seigner).

08

A partir daí cada vez mais se aflora o lado “voyeur” do professor para saber mais sobre aquela família sobre o olhar de Claude, infligindo algumas éticas para permitir que ele continue a escrever. Isso atrapalha a relação com sua esposa Jeanne (Kristin Scott Thomas) quem deixa de dá tanta atenção – já que está “hipnotizado” na trama criada por seu aluno. Jeanne trabalha em uma galeria de arte que luta para não ser fechada.

06

A narrativa é o destaque do filme mostrando as cenas conforme Germain ler as páginas de maneira confusa, mas proposital, misturando o real com a ficção se materializando dentro da história como se dirigisse aquela “peça” em tempo real. Me fez lembrar distante um filme do Will Ferrel chamado Mais Estranho que a Ficção.

No último ato, Claude “introduz” o professor em sua história juntando os dois mundos, porém Germain não se importa muito e tenta ajudá-lo a achar um bom final para esse romance.

05

Ano: 2012

País: França

Direção e Roteiro: François Ozon

Nome em françês: Dans La Mansion (Na Casa)