F.A. #09 – O SOM DO RUÍDO

Por | 25/03/2014 | Sem Comentários

Conta a história do detetive da policia Amadeus Warnebring (Bengt Nilsson) que faz parte de uma família de músicos respeitados no cenário clássico, porém ele sempre foi uma negação em qualquer instrumento e hoje em dia detesta qualquer tipo de música e só quer o silêncio.

Ele começa a trabalhar em um novo caso, prender um bando de músicos percussionista que estão anarquizando a cidade com performances pouco convencionais, extraindo sons seja de uma sala de cirurgia, de dentro de um banco, de uma hidrelétrica e por aí vai…

03

Essas intervenções urbanas são “orquestradas” por Sanna e Magnus (seus nomes reais, sendo o segundo o compositor das músicas para o filme), os dois selecionaram um por um dos músicos e apresentam as partituras do projeto utópico que criaram. Todos aceitam de imediato querendo colocar em prática aquela obra-prima sem se preocuparem em serem pegos.

Amadeus continua sua caçada e pra isso se vê obrigado a entrar no mundo da música para resolver o caso, o ritmo da narrativa acelera e fica lento como um BPM que só funciona quando está a mais de 130. Em algum momento quando está próximo de prendê-los, ele passa por uma situação digamos fora no normal que mexe com sua audição, isso tem uma relevância para seu sentido de observar/escutar fazendo uma conexão com o objetivo final do filme.

05

Os destaques ficam por conta da trilha sonora que basicamente são as feitas por esses músicos no decorrer do filme que usam a música como arte, protesto, movimento contra qualquer tipo de imposição pela indústria e “irritar” a burguesia com os sons de ruído, batida cardíaca, moeda caindo, etc. Resumindo, todas as cenas de músicas são fodas. Em contrapartida, amoleceram um pouco no decorrer do roteiro na tentativa de humanizar Amadeus acabaram romantizando demais, poderiam ter continuado punk, mas não creio que isso tenha estragado a excelente ideia ou perdido o peso da critica que se faz.

Assista e escute!

Ano: 2010

País: Suécia

Direção e Roteiro: Ola Simonsson, Johannes Stjarne Nilsson

Caso queira descobrir outros filmes anônimos (F.A.)